Bioeconomia

A Bioeconomia é um dos focos da Fraunhofer no Brasil, combinando economia e sustentabilidade

Faz algum tempo que nós seres humanos vivemos além de nossas capacidades. O uso de recursos naturais, como água, solo ou matérias-primas, excede a capacidade de regeneração da terra. A população mundial crescente, as mudanças climáticas e o declínio da biodiversidade estão levando a uma espiral descendente cada vez mais rápida: chegou a hora de uma mudança. A Bioeconomia visa equilibrar a economia e a ecologia através de conceitos de produção, trabalho e conceitos vivos na Bioeconomia. Os cientistas da Fraunhofer-Gesellschaft exploram sistemas biológicos e combinam suas descobertas com tecnologias imaginativas para desenvolver inovações pioneiras para uma economia sustentável. A seguir, as principais áreas de foco a serem melhoradas pela Bioeconomia no Brasil:

Nutrição

Uma dieta equilibrada desempenha um papel fundamental em nossa saúde. Mas qual é a maneira mais sustentável de produzir alimentos nutritivos, especialmente quando há cada vez menos terra e uma população global em crescimento? A Bioeconomia oferece inúmeras oportunidades, incluindo a exploração de novas fontes de proteínas que não prejudicam o clima e a produção de suplementos nutritivos valiosos feitos de macroalgas, que prosperam sem a utilização de fertilizantes, água doce e energia.

Agricultura

Fertilizantes artificiais, pesticidas de base química e o aumento do uso de máquinas e processos técnicos têm impulsionado significativamente o rendimento agrícola ao longo das décadas. Para se ter uma ideia, após a Segunda Guerra Mundial um agricultor alimentava dez pessoas. Atualmente, um agricultor pode abastecer 135 pessoas, uma transição que deixou mais do que sua marca no ecossistema. A biodiversidade está em declínio, os resíduos de pesticidas nos alimentos e na água são um grande problema, e o equilíbrio ecológico foi destruído. Os pesquisadores da Fraunhofer estão trabalhando para tornar a agricultura mais sustentável.

Novos materiais

Como podemos desenvolver novos materiais que têm a mesma qualidade daqueles já existentes, mas que podem ser produzidos e descartados de forma sustentável? A Bioeconomia tem um grande potencial nesse assunto. Um dos exemplos são as embalagens reutilizáveis e compostáveis desenvolvidas pelos pesquisadores da Fraunhofer, além de materiais naturais que podem substituir as fibras de carbono.

Saúde

A extração de medicamentos de plantas e microorganismos não é novidade, temos um ótimo exemplo que é a insulina. Mesmo assim, ainda há muito a ser explorado. Por exemplo, a biotecnologia moderna oferece opções de tratamento eficientes para bactérias resistentes a antibióticos. É impossível imaginar tratamentos para doenças como o câncer e doenças auto-imunes sem biofarmacêuticos. Microorganismos e células vivas são utilizados como "mini-fábricas" para a produção de ingredientes ativos.

Meio-ambiente

Animais e seres humanos precisam de um ambiente saudável. Mas a realidade é bem diferente: os resíduos plásticos estão poluindo os oceanos e matando animais, enquanto a mudança climática com seus verões extremamente quentes nos últimos anos, trouxeram uma seca prolongada e incêndios devastadores. O objetivo da Bioeconomia é ajudar a proteger o meio-ambiente e promover uma economia sustentável, substituindo o petróleo na indústria química, respondendo à escassez de água e reciclando os plásticos continuamente, ao invés de descartá-los.

Energia

Os combustíveis fósseis estão sendo substituídos cada vez mais por energias renováveis, que são as energias eólica, solar e da biomassa, em uma tentativa desesperada de alcançar as metas climáticas. Porém, a energia eólica e a solar são inconsistentes e tende a variar, tornando uma necessidade as soluções para explorar o excesso de energia. Além do sol e do vento, a biomassa também é um pilar importante no mix energético do futuro.

Fraunhofer Quick Lives

 

Economia Circular & Eco-Design

Fraunhofer ICT - Ana Sales

Workshop em Bioeconomia

 

Inovações em Bioeconomia

Diversas iniciativas em Bioeconomia com líderes do Brasil  e da Alemanha.